segunda-feira, 22 de julho de 2024
InícioCidadesPolícia prende marido de atiradora e quarto envolvido em mortes de idosos
INVASÃO EM PEIXOTO

Polícia prende marido de atiradora e quarto envolvido em mortes de idosos

As prisões foram realizadas em uma residência na região central de Alta Floresta

A Polícia Civil prendeu na manhã desta terça-feira (23) duas pessoas envolvidas nas mortes de dois idosos, em Peixoto de Azevedo, durante um almoço no domingo (21).

Trata-se de Márcio Ferreira Gonçalves, marido de Inês Gemilaki e padrasto de Bruno Gemilaki Dal Poz, principais responsáveis pelos disparos,  e o irmão dele Eder Gonçalves Rodrigues.

Inês e Bruno continuam sendo procurados pela Polícia Civil.

As prisões foram realizadas em uma residência na região central de Alta Floresta e contou com o apoio da Delegacia da cidade e de equipes da Delegacia Regional de Guarantã do Norte.

De acordo com a Polícia Civil, Eder confessou a participação no crime dizendo ser a pessoa que entrou na residência com  Inês e Bruno, também efetuando os disparos.

Durante a execução do crime, Márcio ficou na camionete Ford Ranger do lado de fora da residência, aguardando para dar fuga aos seus comparsas.

“Com as prisões foi possível identificar um quarto envolvido no crime, até então desconhecido, uma vez que acreditávamos que o homem de camiseta preta que entrou na casa e efetuou os disparos era o Márcio, marido e padrasto dos outros dois autores do crime”, disse a delegada Anna Marien, responsável pelas investigações.

Depois de localizados, os dois autores foram conduzidos à Delegacia de Alta Floresta onde todas as providências foram tomadas pelo delegado Thiago Marques Berger, que representará pela conversão do flagrante em prisão preventiva.

O crime 

Morreram Pilson Pereira da Silva, de 80 anos, e Rui Luiz Bolgo, de 68. O padre da cidade, J.R.D., de 45, que também estava no local, ficou ferido.

As investigações apontam que o crime na verdade tinha como alvo o dono da residência onde ocorria a confraternização, que teria feito ameaças públicas contra os investigados, em razão de um processo referente a um contrato de aluguel. Ele não foi atingido.

Mais lidas nesta categoria
- Publicidade -spot_img

Siga-nos nas redes sociais

31FãsCurtida
18,052SeguidoresSeguir
3,191SeguidoresSeguir
597InscritosInscreva-se