terça-feira, 21 de maio de 2024
InícioEconomia & NegóciosPara presidente da OAB, atualização de custas processuais exclui acesso à Justiça

Para presidente da OAB, atualização de custas processuais exclui acesso à Justiça

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MT), Leonardo Campos afirmou ser contra a atualização das custas processuais que passou a vigorar no início deste mês, por força da Lei 11.077.

A legislação aumenta alguns valores das custas judiciais, além de criar novos tipos de taxas. Para o presidente, a nova tabela é excludente e impede o acesso à Justiça por parte da classe cidadã.

Em entrevista ao Jornal da CBN Cuiabá, na manhã desta terça-feira (2), Campos argumentou que as pessoas que não se enquadram como pobres pela lei e precisam recorrer à Justiça têm seu acesso restringido por conta da mudança.

O advogado explicou que a discussão em torno da atualização não é recente, uma vez que é tema de debate desde o ano de 2019.

“Primeiro, discutimos com o TJ o aumento nos patamares que o Judiciário pretende. Nos patamares existentes hoje, ao nosso sentido, afasta o cidadão do acesso à Justiça. A mudança impede o acesso universal à Justiça, que é clausura pétrea da Constituição”, disse.

Após aprovação da mudança, a OAB-MT chegou a recorrer ao Supremo Tribunal Federal. A Ordem obteve uma liminar, mas os efeitos foram suspensos em janeiro.

“Agora, [a partir de janeiro] começamos a sentir na pele os reflexos desta. Para exemplificar, quem tem um processo de R$ 500 mil, por exemplo, paga R$ 25 mil para litigar, sendo R$ 10 mil para entrar na Justiça e, se for recorrer, pagaria mais R$ 15 mil”, aponta.

O presidente da OAB-MT disse que o argumento utilizado para defender a mudança é de que, em Mato Grosso, via de exemplo, cerca de 89% dos processos tramitam em caráter de gratuidade.

Contudo, Campos defende que, nacionalmente, são os entes públicos que movimentam aproximadamente 80% das ações judiciais, restando à classe média o estrangulamento advindo dos custos para equiparar os gastos da Justiça.

“Pode ser parcelado, é bem verdade. Pode ser parcelado em até seis vezes, a OAB já entrou com pedido para aumentar esse parcelamento para 24 vezes. Até parcelado em seis vezes é complicado. O cidadão não tem esse dinheiro e muitas vezes deixa de buscar seu direito por não ter condições financeiras, uma vez que esse cidadão não preenche os benefícios para ser beneficiário da Justiça gratuita”, finalizou.

Mais lidas nesta categoria
- Publicidade -spot_img

Siga-nos nas redes sociais

31FãsCurtida
18,052SeguidoresSeguir
3,191SeguidoresSeguir
597InscritosInscreva-se