quinta-feira, 18 de julho de 2024
InícioCidadesCRM suspende registro de médico preso por envolvimento em mortes
ATAQUE EM PEIXOTO

CRM suspende registro de médico preso por envolvimento em mortes

Bruno Gemilaki se formou pelo Centro Universitário Uninorte, em Rio Branco (AC), em 2020

THAIZA ASSUNÇÃO – DA REDAÇÃO 

O Conselho Regional de Medicina de Mato Grosso (CRM-MT) suspendeu o registro profissional de Bruno Gemilaki Dal Poz, de 28 anos, preso por envolvimento em dois homicídios e duas tentativas de homicídio em Peixoto de Azevedo,  no mês passado.

Em nota, a entidade afirmou que os conselheiros “entenderem que o seu envolvimento nos crimes que ocorreram em Peixoto de Azevedo resulta em fundado receio de dano irreparável ou de difícil reparação ao prestígio e bom conceito da profissão médica, circunstância que autoriza a aplicação da interdição cautelar, conforme prevê o art.. 30 do Código de Processo Ético-Profissional”.

Em outro ponto, o CRM argumentou que foi analisado até a omissão em relação a toda situação do caso.

“A análise do caso considerou tanto a ação de Bruno, apontado pelo Ministério Público como um dos autores dos crimes, quanto sua omissão ao não prestar socorro às vítimas. A suspensão do exercício profissional passa a valer imediatamente após o Conselho Federal de Medicina referendar a decisão do CRM-MT”.

Bruno se formou pelo Centro Universitário Uninorte, em Rio Branco (AC), em 2020. Ele atuava em Mato Grosso e também no Estado de São Paulo.

O crime

Além de Bruno estão presos pelo crime a mãe dele, a pecuarista Inês Gemilaki, e Eder Gonçalves Rodrigues, irmão do padrasto do médico.

O ataque ocorreu na tarde do dia 21 de abril. Toda ação foi filmada por câmeras de segurança e ganhou repercussão nacional.

Foram mortos os idosos Pilson Pereira da Silva, de 65 anos, e Rui Luiz Bogo, de 57. O padre José Roberto Domingos e o dono da casa,  Enerci Afonso Lavall, principal alvo dos acusados, ficaram feridos.

A motivação, segundo a Polícia, foi um desacordo referente a um contrato de locação. Inês morou no imóvel da vítima, que ajuizou uma ação de cobrança contra ela.

 

Mais lidas nesta categoria
- Publicidade -spot_img

Siga-nos nas redes sociais

31FãsCurtida
18,052SeguidoresSeguir
3,191SeguidoresSeguir
597InscritosInscreva-se