terça-feira, 16 de julho de 2024
InícioCidadesPJC: mesmo preso em regime fechado, alvo de operação comprou carros e...
LA CATEDRAL

PJC: mesmo preso em regime fechado, alvo de operação comprou carros e caminhões

Foram sequestrados judicialmente diversos veículos, gado bovino e maquinário agrícola

A Operação La Catedral, deflagrada na quarta-feira (8) pela Polícia Civil de Primavera do Leste, apreendeu treze veículos adquiridos com recursos de um esquema criminoso de lavagem de capitais, liderados pelo preso Janderson dos Santos Lopes, de 30 anos.

Janderson estava preso na cadeia pública de Primavera do Leste, mas circulava livremente pela cidade durante o dia com anuência do diretor da cadeia pública, Valdeir Zeliz dos Santos.

Foram alvos de sequestro judicial de bens, camionetes, caminhões, veículos de passeio e maquinário agrícolas. Uma das camionetes apreendidas, um modelo Toyota Hilux, estava estacionada em frente à cadeia de Primavera. Com essa camionete, Janderson circulava livremente pela cidade gerenciando sua transportadora, construções imobiliárias e fazendas, como se fosse um cidadão livre. Ele retornava apenas no período noturno.

A investigação que resultou na Operação La Catedral reuniu relatórios financeiros e investigativos e identificou atividades ilegais envolvendo, principalmente, presos e o diretor da cadeia de Primavera. Foi criado um esquema criminoso para comprar facilidades, movimentar dinheiro obtido ilegalmente e, ainda, ofertar vantagens ilícitas a servidores públicos.

Para legitimar os valores recebidos, os investigados utilizaram pessoas jurídicas e físicas para movimentar os valores ilícitos e adquirir veículos, imóveis, gado e construções, a fim de dar aparência de legalidade ao dinheiro ilícito.

O esquema, liderado por Janderson, contou com a participação do diretor da cadeia, também investigado e alvo de ordens judiciais de afastamento do cargo, busca e apreensão e bloqueio de valores e sequestro de bens. Incluía a venda de benefícios dentro da unidade prisional e, principalmente, a autorização de trabalho externo e alojamento privilegiado na cadeia.

A equipe policial apurou que Janderson tinha autorização judicial para trabalhar externamente e frequentar a faculdade em Primavera. No entanto, no período apurado, foi constatado que ele não compareceu ao trabalho e nem às aulas do curso.

Preso, mas com liberdade

Janderson estava cumprimento de pena privativa de liberdade, na cadeia de Primavera do Leste, após ser condenado a 39 anos de reclusão, resultado de investigações em duas operações anteriores da Polícia Civil que apuraram os crimes de tráfico de drogas e lavagem de dinheiro.

Mesmo recluso, ele tinha total liberdade para continuar com suas atividades criminosas lideradas a partir da cadeia em Primavera e constituir patrimônio.

Lopes e sua esposa tiveram os bens confiscados nas duas operações anteriores da Polícia Civil. Ele era responsável pela lavagem de dinheiro oriundo do tráfico de drogas por meio da criação de empresas de fachada.

Contudo, a investigação atual da Derf de Primavera do Leste apontou que ele adquiriu patrimônio considerável mesmo preso, usando nomes de terceiros, sejam pessoas físicas ou jurídicas.

Entre os bens sequestrados pela Polícia Civil, ligados a Janderson, estão diversos veículos, imóveis, tratores e mais de 150 cabeças de gado bovino, além do bloqueio de valores.

Movimentação milionária

Dados analisados na investigação, do relatório de inteligência do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF), demonstraram transações realizadas entre os próprios investigados, corroborando, assim, os vínculos típicos de associação criminosa.

Entre fevereiro de 2022 e novembro do ano passado foram feitas movimentações bancárias em valores que vão de 485 mil a 24 milhões de reais. Além das transações entre si, os investigados também receberam créditos e efetuaram depósitos em contas bancárias de presos ou familiares de presos.

A equipe de investigação identificou uma propriedade rural, próxima ao município de Dom Aquino, em que o criminoso criava gado bovino de corte. “O gado em confinamento representa um ativo de fácil liquidez, pois é comercializado em várias etapas na cadeia produtiva.

Dessa maneira, o criador pode escolher o melhor momento para comprar e vender o animal, aproveitando-se do fato de que não é um produto perecível e também devido à existência de vários fornecedores e consumidores”, apontou a equipe de investigação.

Além das ordens de bloqueio de valores e sequestro de bens, Janderson e a companheira tiveram as prisões preventivas decretadas. A Justiça também determinou, após a representação da Polícia Civil, a transferência dele e de outros três investigados para diferentes unidades prisionais do Estado.

 

Mais lidas nesta categoria
- Publicidade -spot_img

Siga-nos nas redes sociais

31FãsCurtida
18,052SeguidoresSeguir
3,191SeguidoresSeguir
597InscritosInscreva-se