quinta-feira, 18 de julho de 2024
InícioCidadesPolícia descobre que líder de facção vivia como "cidadão livre" e afasta...
OPERAÇÃO LA CATEDRAL

Polícia descobre que líder de facção vivia como “cidadão livre” e afasta diretor de cadeia pública de MT

No total, a operação cumpre 132 ordens judiciais entre prisões preventivas, buscas e apreensões E bloqueios de contas bancárias

A Polícia Civil de Mato Grosso deflagrou nesta terça-feira (07) a Operação La Catedral contra um esquema de corrupção passiva, corrupção ativa, lavagem de capitais e facilitação de saída de pessoa presa para atividades ilegais na cadeia pública de Primavera do Leste.

Entre os alvos está o diretor da unidade, Valdeir Zelis dos Santos, que foi afastado do cargo, e o detento Janderson dos Santos Lopes, vulgo Cowboy, apontado como uma das lideranças do Comando Vermelho em Mato Grosso.

No total, a operação cumpre 132 ordens judiciais entre prisões preventivas, buscas e apreensões, bloqueios de contas bancárias, além de sequestro de bens móveis e imóveis nas cidades  Primavera do Leste, Paranatinga, Dom Aquino, Uberlândia (MG), Rio Verde (GO) e Santana do Araguaia (PA).

A investigação, de quase um ano, apurou a existência de uma associação criminosa que se formou para comprar facilidades e movimentar dinheiro obtido ilegalmente e promover a lavagem de capitais por meio de empresas de construções e, ainda, ofertar vantagens ilícitas a servidores públicos.

Para legitimar os valores recebidos, os investigados utilizaram terceiros e também de pessoas jurídicas para movimentar os valores ilícitos. Houve ainda a aquisição de veículos e imóveis para dar aparência de legalidade ao dinheiro.

Patrimônio 

De acordo com as investigações, o detento Janderson dos Santos Lopes, condenado a 39 anos de reclusão, tinha total liberdade para continuar com suas atividades criminosas lideradas a partir da cadeia pública.

Janderson foi alvo de duas operações anteriores da Polícia Civil – Três Estados e Red Money – que investigaram os crimes de tráfico de drogas e lavagem de dinheiro. Ele e a esposa tiveram os tiveram os bens confiscados e arrestados nas operações.

Porém, após pouco mais de um ano de sua transferência para a cadeia de Primavera do Leste, Janderson adquiriu um considerável patrimônio, incluindo a abertura de empresas, compra de uma frota de caminhões com reboques e semirreboques; imóveis em Cuiabá, Primavera do Leste e Poxoréu; e veículos de luxo para ele e para sua esposa, que também foi presa.

Além disso, ele ostenta em rede social uma vida de alto padrão, compartilhando imagens de seus caminhões, carros, construções imobiliárias e também de gado bovino, como se fosse um cidadão livre.

A equipe de investigação apurou que o criminoso tinha autorização judicial para trabalhar externamente e frequentar a faculdade em Primavera do Leste. No entanto, no período de investigação, a equipe policial constatou que ele não compareceu ao trabalho e nem às aulas do curso.

Entre os pagamentos de propinas para o diretor da cadeia pública foi apurado que Janderson Lopes teria transferido R$ 20 mil, por intermédio de outras pessoas, para conseguir trabalho externo. Além dele, outros presos também teriam feito pagamentos para o trabalho extramuros.

Movimentação financeira

Dados analisados do relatório de inteligência do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF) demonstraram transações realizadas entre os próprios investigados, corroborando, assim, os vínculos típicos de associação criminosa.

Entre fevereiro de 2022 e novembro do ano passado foram feitas movimentações bancárias em valores que vão de 485 mil a 24 milhões de reais. Além das transações entre si, os investigados também receberam créditos e efetuaram depósitos em contas bancárias de presos ou familiares de presos.

“Esses relatórios evidenciam uma atividade típica de movimentação financeira associada à lavagem de capitais, uma vez que pessoas sem qualquer tipo de vínculo, seja pessoal, profissional ou geográfico, realizaram transferências bancárias em quantias significativas”, pontuaram os delegados Honório Neto e Rodolpho Bandeira, da Derf de Primavera do Leste.

Nome da operação

Faz referência à La Catedral, prisão onde ficou o narcotraficante Pablo Escobar, na Colômbia. A unidade era vigiada pelos próprios homens de confiança do traficante, que fez do local uma extensão de seus negócios ilícitos e da prisão continuava comandando o tráfico de drogas e outras ações violentas, até ser extraditado para os Estados Unidos. A prisão contava com regalias, como salas de jogos, academia e campo de futebol. Em La Catedral, Escobar realizava festas marcadas com bebidas, drogas e mulheres.

O cumprimento das ordens judiciais conta com efetivo operacional das unidades da Regional de Primavera do Leste, da Diretoria Metropolitana e Diretoria de Atividades Especiais da Polícia Civil.

Mais lidas nesta categoria
- Publicidade -spot_img

Siga-nos nas redes sociais

31FãsCurtida
18,052SeguidoresSeguir
3,191SeguidoresSeguir
597InscritosInscreva-se