segunda-feira, 22 de julho de 2024
InícioCidadesMPE denuncia pecuarista, filho e cunhado e pede R$ 2 milhões; marido...
ATAQUE EM PEIXOTO

MPE denuncia pecuarista, filho e cunhado e pede R$ 2 milhões; marido é “inocentado”

Órgão frisou que Márcio Ferreira Gonçalves não participou das execuções

THAIZA ASSUNÇÃO – DA REDAÇÃO 

O Ministério Público Estadual (MPE) denunciou a pecuarista Inês Gemilaki, o filho dela, Bruno Gemilaki Dal Poz, e o cunhado Eder Gonçalves Rodrigues pelo ataque que terminou terminou com dois mortos, em Peixoto de Azevedo.

O MPE decidiu, porém, não denunciar Márcio Ferreira Gonçalves, marido de Inês, que auxiliou na fuga.

De acordo com o promotor de Justiça, Álvaro Padilha de Oliveira, que assina a denúncia, as investigações apontam que ele não participou das execuções. E o fato dele ter auxiliado na fuga foi excluído por ser parente dos autores do crime. O promotor pediu que ele seja solto.

“Em relação ao indiciado Márcio Ferreira Gonçalves, o Ministério Público deixa de oferecer denúncia contra ele pela prática do homicídio qualificado e tentado, uma vez que, conforme
demonstrado nos autos, não estava presente no momento da execução; no entanto, prestou apoio aos denunciados após os delitos praticados, o que possibilitaria enquadrar a conduta do investigado no delito descrito no artigo 348 do Código Penal”, escreveu.

“Todavia, verifica-se a exclusão de pena em relação ao delito, uma vez que o indiciado é parente, sendo ascendente por afinidade do denunciado Bruno Gemilaki, cônjuge da denunciada Inês Gemilaki, além de ser irmão do denunciado Edson Gonçalves Rodrigues. Portanto, exclui-se a possibilidade de imputar ao indiciado a referida prática delitiva”, acrescentou.

Inês, o filho e o cunhado vão responder por dois homicídios qualificados, por motivo fútil e recurso que dificultou a defesa das vítimas, e duas tentativas de homicídio qualificado.

Na denúncia, o promotor pediu a manutenção das prisões de Inês, o filho e o cunhado e ainda que eles sejam condenados ao pagamento de uma indenização de R$ 2 milhões para familiares das vítimas e os sobreviventes do ataque.

O ataque ocorreu na tarde do dia 21 de abril. Toda ação foi filmada por câmeras de segurança e ganhou repercussão nacional.

Foram mortos os idosos Pilson Pereira da Silva, de 65 anos, e Rui Luiz Bogo, de 57.

Ficaram feridos contra o padre José Roberto Domingos, que levou um tiro na mão, e Enerci Afonso Lavall, alvo principal da família.

 

 

Mais lidas nesta categoria
- Publicidade -spot_img

Siga-nos nas redes sociais

31FãsCurtida
18,052SeguidoresSeguir
3,191SeguidoresSeguir
597InscritosInscreva-se