segunda-feira, 24 de junho de 2024
InícioDestaque PrincipalCesta básica em Cuiabá volta a subir e é a terceira mais...
APÓS QUEDAS CONSECUTIVAS

Cesta básica em Cuiabá volta a subir e é a terceira mais cara do País

Os alimentos que mais variaram de preço no mês têm relações voltadas às questões climáticas e mercadológicas de preço e produção

O preço da cesta básica em Cuiabá, no mês de maio, teve um aumento de 0,75% em seu valor médio no comparativo com o mês anterior, totalizando R$ 765,53.

A alta interrompe uma tendência de queda observada nos últimos três meses.

Com o valor atual, a capital mato-grossense só fica atrás de São Paulo e Porto Alegre, que possuem o os valores mais caros do Brasil, segundo o Dieese.

No mês anterior, Cuiabá estava no quarto lugar.

“Tal fator consolida a alta nos preços dos alimentos na capital, inclusive, no comparativo com o mesmo período de 2022, apresentando um crescimento de 9,28%, quando a cesta custava R$ 700,55”, apontou o superintendente da Fecomércio-MT, Igor Cunha.

Cerca de 54% dos alimentos que compõem a cesta apresentaram crescimento em seu valor médio.

Destaque para o tomate e a batata, que obtiveram crescimento mensal de 7,25% e 4,39%, respectivamente.

Segundo análise do Instituto de Pesquisa e Análise da Fecomércio (IPF-MT), o avanço no preço do tomate pode estar associado ao período de transição de uma safra para outra, com redução da oferta do fruto.

Além disso, as temperaturas baixas de alguns períodos retardam a maturação do fruto, contribuindo para uma menor disponibilidade do produto nos mercados.

Com relação à batata, as chuvas nas regiões produtoras prejudicaram a colheita do tubérculo, restringindo a oferta do produto, interrompendo uma sequência de três meses em queda.

Igor Cunha reforça que “os alimentos que mostram maiores variações no mês de maio, possuem relação nessas modificações voltadas as questões climáticas e mercadológicas de preço e produção, como o caso do óleo de soja e a farinha de trigo”.

A queda no preço do óleo de soja, de 5,85%, pode estar ligada as baixas cotações da soja no mercado internacional e o resultado recorde de soja no estado, o que acaba por baratear os custos de produção do item. Tal condição tem possibilitado que o produto contabilize a quarta queda mensal no seu preço.

Já a farinha de trigo, que apresentou recuo de 2,23% em relação ao mês anterior, pode estar atrelado à renovação do acordo de exportação entre a Rússia e a Ucrânia, que mantém a oferta global do produto, já que ambos os países são grandes produtores de trigo. Ainda conforme o IPF-MT, a diminuição no preço da matéria-prima da farinha mantém os custos de produção baixos.

“Na comparação com outras 17 cidades, a capital mato-grossense segue tendência de crescimento junto com outras sete. O contexto atual do estado é de uma das menores taxas de desemprego do país, além de outros dados positivos, que podem influenciar na renda disponível pelas famílias e, consequentemente, no comportamento dos preços locais”, completou o superintendente da Fecomércio.

Mais lidas nesta categoria
- Publicidade -spot_img

Siga-nos nas redes sociais

31FãsCurtida
18,052SeguidoresSeguir
3,191SeguidoresSeguir
597InscritosInscreva-se