segunda-feira, 26 de julho de 2021
Início Política Deputado bolsonarista defende suspensão de eleição sem voto impresso

Deputado bolsonarista defende suspensão de eleição sem voto impresso

Barbudo saiu em defesa do voto auditável, que já foi declarado inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal

O deputado federal Nelson Barbudo (PSL), aliado do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), defendeu que não haja eleição caso o voto impresso não seja utilizado no pleito.

Em entrevista ao Jornal da CBN Cuiabá, na manhã desta terça-feira, o parlamentar afirmou que há clamor popular em torno do voto auditável e, nesse sentido, a vontade do povo deve ser respeitada.

Em defesa do sistema auditável, que já foi declarado inconstitucional pelo Supremo Tribunal Federal, o deputado questionou o fato de os ministros da Corte superior não aprovarem este tipo de formato eleitoral.

“Os ministros do Supremo Tribunal Federal estão levando a sociedade brasileira a realmente desconfiar que há fraude nas urnas eletrônicas. Qual a dificuldade dos ministros em não aceitarem as urnas auditáveis?”, disse Barbudo.

“Se nós temos o dinheiro para comprar as urnas e a vontade popular, por que 3 ou 4 pessoas querem mudar o destino dessas eleições? Temos que ficar atentos e, se não for respeitada a vontade do povo, que não tenha eleição”, acrescentou.

Sem provas apresentar provas de fraude, Barbudo disse que um hacker, que não teve o nome citado, afirmou que seria “muito fácil fraudar as urnas”. Contudo, conforme o Tribunal Superior Eleitoral, os aparelhos sequer têm conexão com a internet.

O deputado também lembrou uma das falas do presidente Bolsonaro a respeito de fraude eleitoral, na qual o chefe do Executivo, mesmo tendo ganhado a eleição presidencial, defendeu ter havido fraude no pleito.

Segundo Barbudo, um erro na contagem dos votos na eleição de 2018 gerou uma margem de fraude de até 7%, o que teria impedido a vitória de Bolsonaro ainda no primeiro turno da disputa.

Ao falar sobre o temor de fraude eleitoral, o parlamentar citou o que considera como “risco” de o Partido dos Trabalhadores retornar ao poder por meio da eleição do ex-presidente Lula na corrida eleitoral de 2022.

“Nós sabemos o perigo que corremos, porque a abstinência de roubo é muita e sabemos o que o PT e seus asseclas são capazes. Somos a favor do voto auditável e queremos o voto auditável”, finalizou.

Mais lidas nesta categoria
- Publicidade -

Siga-nos nas redes sociais

31Mil FãsCurtir
250SeguidoresSeguir