domingo, 21 de julho de 2024
InícioDestaque PrincipalPrefeitura de Cuiabá exonera servidor preso por atuar como "testa de ferro"...
"PASSEOU" COM TORNOZELEIRA

Prefeitura de Cuiabá exonera servidor preso por atuar como “testa de ferro” de líder de facção

O servidor foi detido dentro da Secretaria Municipal de Obras – pasta para a qual está cedido – nas primeiras horas na manhã de hoje

CAMILA RIBEIRO – DA REDAÇÃO

Preso na manhã desta terça-feira (14) pela Polícia Civil, o servidor Jeferson da Silva Sancoviche foi exonerado da Empresa Cuiabana de Zeladoria e Serviços Urbanos (Limpurb) de Cuiabá.

A informação foi confirmada pela prefeitura da Capital.

Jeferson é suspeito de atuar como “testa de ferro” no esquema de lavagem de capitais do tráfico de drogas liderado por Paulo Witer Faria Paelo, conhecido como WT.

O servidor foi detido dentro da Secretaria Municipal de Obras – pasta para a qual estava cedido – nas primeiras horas na manhã de hoje.

Em nota, a prefeitura disse que o servidor havia sido aprovado em um processo seletivo e tomado posse do cargo há quatro anos.

Ele tinha um salário bruto mensal de R$ 3.643,12.

“Durante o processo de contratação, apresentou toda a documentação e certidões que comprovaram a ausência de registros criminais. Além disso, ao longo do período em que exerceu suas funções no cargo público, nunca apresentou condutas consideradas criminosas. A Limpurb procederá com a exoneração imediata do colaborador em questão”, cita o documento.

Apito Final 

A prisão de Jeferson é fruto de desdobramentos da Operação Apito Final.

A GCCO identificou que ele constava como proprietário de um apartamento em um edifício de alto padrão em Cuiabá, contudo, quem passou a residir no imóvel foi Witer, logo após sair da Penitenciária Central do Estado, em dezembro passado, quando teve a progressão para o regime semiaberto autorizada pela justiça.

A GCCO apurou ainda que o servidor público não teria condições financeiras de adquirir um imóvel como o que constava em seu nome.

A Polícia Civil descobriu que dias antes da deflagração da Operação Apito Final, que levou a prisão de W.T, Jeferson foi ao apartamento e retirou do local objetos que pudessem comprometer o investigado, entre eles a tornozeleira, desativada.

Outro preso nesta terça é acusado de movimentar a tornozeleira do criminoso como se Witer estivesse em Cuiabá. Para isso, esse investigado ia ao apartamento, retirava o equipamento e o levava até o bairro Jardim Florianópolis nas ocasiões em que Witer estava em viagens ao litoral de Santa Catarina e Rio de Janeiro.

No dia 14 de março, a Polícia Civil apurou que a tornozeleira emitiu a localização em um colégio de alto padrão na Capital, onde o investigado foi levar a filha de Witer, que estuda no local. Porém, nesta mesma data, Paulo estava em Santa Catarina.

Além da movimentação criminosa do equipamento, foi constatado ainda que o acusado fez diversas movimentações bancárias por seus ‘serviços prestados, em quantias superiores a R$ 19 mil.

Mais lidas nesta categoria
- Publicidade -spot_img

Siga-nos nas redes sociais

31FãsCurtida
18,052SeguidoresSeguir
3,191SeguidoresSeguir
597InscritosInscreva-se