sexta-feira, 23 de fevereiro de 2024
InícioDestaque PrincipalChina suspende embargo à carne bovina do Brasil, diz Fávaro
ANTES DE EMBARQUE DE LULA

China suspende embargo à carne bovina do Brasil, diz Fávaro

Venda tinha sido suspensa no início de março após detecção de caso atípico de vaca louca no Pará

O governo da China suspendeu o embargo à importação de carne bovina produzida no Brasil, informou o ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, à TV Globo.

A decisão foi informada pelo governo brasileiro três dias antes de o presidente Luiz Inácio Lula da Silva embarcar para a China, onde deve se encontrar com Xi Jinping para discutir, entre outros temas, avanços na pauta comercial entre os países.

A Embaixada da China no Brasil ainda não divulgou a decisão oficialmente.

Até a publicação desta reportagem, os dois governos ainda não tinham informado a data precisa para a retomada das vendas.

Fávaro embarcou para a China na última segunda (20), quase uma semana antes da comitiva presidencial, e se reuniu com o ministro responsável pelo controle aduaneiro do país asiático, Yu Jianhua.

Semanas de suspensão

China, Tailândia, Irã e Jordânia suspenderam as importações de carne bovina de todo o Brasil, no início de março, após um caso de vaca louca ter sido identificado no Pará no fim de fevereiro.

Laboratórios internacionais, naquele momento, já tinham identificado que o caso de vaca louca era atípico e resultado do envelhecimento natural do animal. Na prática, isso significa que não havia risco de contaminação do rebanho.

A Rússia, naquele momento, embargou apenas a carne exportada do Pará. Segundo o governo, a decisão afetou uma única planta frigorífica do estado porque as demais já não exportavam carne para o país europeu.

No caso da China, o próprio Brasil já havia suspendido as exportações por conta própria em razão desse caso isolado. O acordo bilateral entre as nações define “autoembargo” quando problemas desse tipo são detectados.

A decisão de manter a suspensão ou retomar a compra, no entanto, cabe à China. Nas últimas semanas, o governo brasileiro enviou informações ao parceiro comercial sobre o andamento da apuração do caso para subsidiar essa retomada.

Em 20 anos de monitoramento da doença, o país nunca identificou a forma mais tradicional, que é quando o animal é contaminado por causa de sua alimentação, explicou Vanessa Felipe de Souza Médica-Veterinária, Virologista, Pesquisadora da Embrapa Gado de Corte.

As informações são do G1

Mais lidas nesta categoria
- Publicidade -spot_img

Siga-nos nas redes sociais

31FãsCurtida
18,052SeguidoresSeguir
3,191SeguidoresSeguir
597InscritosInscreva-se