quinta-feira, 29 de fevereiro de 2024
InícioDestaque PrincipalMendes critica reforma tributária: "Pode colapsar Mato Grosso"
AUMENTO DE IMPOSTOS

Mendes critica reforma tributária: “Pode colapsar Mato Grosso”

Governador se reuniu, nesta quarta-feira (1º), com o relator da reforma, o senador Eduardo Braga

O governador Mauro Mendes (União Brasil) alertou que a atual proposta da Reforma Tributária pode aumentar a carga de impostos para os cidadãos assalariados e prejudicar os Estados produtores como é o caso de Mato Grosso.

Ele se reuniu, nesta quarta-feira (1º), com o relator da reforma, o senador Eduardo Braga, em Brasília.

“Eu vejo essa reforma tributária com muita preocupação. O cidadão brasileiro acha que vai pagar menos impostos, mas isso não vai acontecer, porque grandes setores vão deixar de pagar os impostos completamente. Alguém vai ter que pagar essas despesas e vai ser o trabalhador, a classe média, os assalariados desse país. Isso não é justo”, afirmou.

Ele enfatizou ainda que a redução de receita em razão das isenções pode ter consequências para Mato Grosso, um dos principais produtores nacionais.

“Isso pode colapsar o nosso Estado a médio prazo, porque o custo dos municípios e do Governo Federal não deve diminuir. A tendência é só aumentar”, pontuou Mauro Mendes.

A senadora Margareth Buzetti, que participou da agenda, também expressou suas preocupações com o texto: “O estado de Mato Grosso é produtor e exportador. Eu não tenho dúvida que as regiões produtoras serão as mais prejudicadas”.

Já o senador Mauro Carvalho, presente no encontro, afirmou que a expectativa é garantir a continuidade de arrecadação de Mato Grosso em função dos investimentos que estão sendo feitos pelo Governo.

“Mato Grosso é um dos estados que mais perde nessa reforma tributária. O que nós viemos fazer aqui foi conversar com o senador Eduardo Braga para encontrar o equilíbrio entre os estados produtores, como é o caso de Mato Grosso, e os estados consumidores. Esperamos manter a arrecadação para continuar investindo em infraestrutura, educação, segurança públicas e outras áreas importantes”, finalizou.

 

Mais lidas nesta categoria
- Publicidade -spot_img

Siga-nos nas redes sociais

31FãsCurtida
18,052SeguidoresSeguir
3,191SeguidoresSeguir
597InscritosInscreva-se